Imprimir

OBAMA ABRE AS PORTAS DOS EUA PARA TURISTAS

ATRAVÉS DE UMA ORDEM EXECUTIVA, O PRESIDENTE AMERICANO DETERMINOU QUE OS SERVIÇOS  consulares instalados no Exterior, sobretudo no Brasil e na China, reduzam seu grau de exigência para a concessão de vistos de turistas e de negócios como forma de incentivar a vinda de mais estrangeiros para o país, a fim de gerar mais empregos para os americanos e incrementar a economia, que vem andando em passos lentos.

Usando o Walt Disney World na Flórida como pano de fun -do, o presidente anunciou ter assinado uma ordem executiva destinada a reduzir o tempo de espera para os  viajantes do Brasil e da China para obter vistos para os EUA.

Esta ordem também eliminará a necessidade de os visitantes vindos  de  Taiwan  solicitarem vistos de entrada para visitar o país — algo que cidadãos de 36 nações, a maioria da Europa Ocidental do Japão e da Austrá -lia, já desfrutam.

E ele está tornando o programa de Entrada Global permanente, permitindo aos viajantes passar com facilidade pela alfândega em vez de se submeter às rigorosas checagens de antecedentes.

“Queremos que vocês sejam bem-vindos”, disse Obama em frente do Castelo da Cinderella na Disney. “Temos o melhor produto  para  vender.  Quero dizer, vejam onde estamos. Temos os destinos com mais entretenimentos no mundo. Esta é a terra das extraordinárias maravilhas naturais.”Ele deu ordem para os departamentos do Comércio e do Interior desenvolverem uma estratégia nacional de turismo que destaque os parques nacionais, e os locais históricos e culturais.

E ele está acrescentando executivos de negócios para o conselho diretor de turismo. Todos  os  passos,  enfatizou Obama, estão sendo tomados para criação de empregos.

Facilitar a maneira como os turistas e os homens de negócios entram no país é algo que tem sido buscado pelos setores em -presariais e de turismo da nação há anos. Eles têm argumentado que as severas restrições impos -tas para se viajar aos EUA depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 estão custando caro à nação, que está perdendo dólares dos viajantres e empregos.

“Os passos que o presidente tomou hoje são significativos e impulsionarão as viagens para e dentro dos Estados Unidos”, disse  Roger  Dow,  presidente da Associação de Viagens dos EUA.  “Mais  importante,  isto levará à criação de novos empregos  para  os  americanos  e manterá nossa economia movi -mentando-se para a frente.”
A visita de Obama a uma das maiores atrações turísticas do país para fazer o anúncio chega no momento em que os candi -datos presidenciais republicanos preparam-se para invadir a Fló -rida, de olho na primária que se realizará no dia 31 de janeiro. E o candidato presdencial republicano Mitt Romney disse que “talvez haja algum tipo de justi -ça poética ao ouvir o presidente falando da Terra da Fantasia”.


Mas Dow contrapôs: “O momento não poderia ter sido me -lhor para ele. O setor de viagens é essencial para nossa nação e um tema bipartidário que pode
unir nosso país e levar-nos para a frente”.

Os números de visitantes estrangeiros recuaram depois dos ataques terroristas. Os Estados Unidos emitiram 7.6 milhões de vistos em 2001, em comparação aos 6.5 milhões em 2010. Restaurar o turismo aos níveis de 2001 pode criar 1.3 milhão de empregos e injetar $860 bilhões na  atividade  econômica  em 2020, advindos de grupos que trabalham nos segmentos de turismo e de empresas ligadas ao setor, segundo Dow.

Obama  ordenou  especificamente aos Departamentos de Estado e de Segurança Doméstica para incrementar a capacidade de emitir vistos no Brasil e na China em cerca de 40% este ano. Ele afirmou querer assegurar que 80% dos vistos solicita -dos por não imigrantes nos países estrangeiros sejam rápidos e os solicitantes sejam entrevista -dos num prazo de três semanas pelo pessoal do serviço consular dos EUA.

E ele quer iniciar um programa experimental para dispensar as entrevistas de viajantes de baixo risco, como aqueles que pedem a renovação de vistos ou, no caso do Brasil, os solicitantes mais jovens ou aqueles que es -tão solicitando o visto pela primeira vez.

Os EUA é um destino popular para brasileiros e chineses, tanto por causa do lazer como pelo lado dos negócios. Mas os atra -sos na obtenção dos vistos aca -bava  desencorajando-os,  afirmaram os executivos do setor.

Nelson Martin, que trabalhou para a Disney por 16 anos antes de sair em agosto e abrir a Hi -ghstar Travel Group com foco nos turistas da América Latina, chamou o anúncio do presidente de um “grande passo” para atrair os brasileiros.

As distâncias e os tempos de espera para entrevistas a fim de receber os vistos em um dos quatro escritórios consulares no Brasil levam tanto tempo que se torna mais fácil para eles viajar para a Europa ou para o Caribe. “Descrevemos  isto  como saindo de férias antes de sair de férias”, disse Martin. “Se você vai a estes consulados, as filas saem para fora da porta e dão a volta no quarteirão. A demanda é incrível.”

Agora, tanto turistas brasileiros como funcionários dos consulados poderão respirar mais aliviados com as facilidades para a concessão de vistos.

fonte: Achei USA Ano 12 • Nº 384

Share