• Abrir empresa nos eua
  • Como abrir uma empresa nos eua
  • Consultoria nos EUA
  • Contabilidade nos EUA
  • Simone Oliveira
  • America Expert You Tube Channel

US : +1 (305) 824-9100 | BR : + 55 (11) 3957-1612

Como abrir uma empresa nos EUA | Investir nos EUA | Imposto de Renda nos EUA
Como abrir uma empresa nos EUA | Investir nos EUA | Imposto de Renda nos EUA

Formas legais e ilegais de utilizar os vistos americanos.

sonhoamericano-ilegal e legal

Na hora de conseguir o tão sonhado green card (Permanent Resident Card), muitas pessoas fazem de tudo, tudo mesmo, até optam por formas ilegais de permanecer no país.  Como todos sabem, para conseguir obter um visto americano, é preciso passar por vários processos o que acaba sendo um pouco demorado, em algumas circunstâncias, algum acabam não conseguindo.

Por querer de qualquer forma conquistar o green card e uma entrada nos Estados Unidos da América e o disfarce muitas vezes, é através do visto de turista, e uma vez que consegue entrar em terras norte americanas, dão logo um jeitinho de ficarem por lá. Está ai um dos maiores problemas e perigos escondidos.

Além do visto de turista, há aqueles também que resolvem falsificar o visto. Então as consequências se duplicam e até se triplicam. É importantíssimo esclarecer as consequências de ser pego em território americano sem visto e sem documento. A pena para estes casos é uma, não maior do que a detenção por imigração ilegal e deportação, mas quando um não estrangeiro é apanhado com documentação oficial daquele país falsa, a circunstancia deixa de ser um simples delito para se tornar um crime federal, punido com abertura de processo e coibido severamente.

Falsificar visto de imigrante nos Estados Unidos da América é a mesma coisa que falsificar o dinheiro deles, o dólar. O falsário pode ficar até 10 anos na cadeia, se não houver outra acusação contra ele e quem se faz utilizar deste método para entrar no país, além de estar assumindo de plano a conivência com o crime, pois os vistos só são emitidos em consulados e embaixadas, ainda pode ser facilmente confundido com terroristas, uma vez que a nação inteira vive na atualidade a tensão do terrorismo contra seus cidadãos.

A grande maioria tenta entrar pelas cidades mais tradicionais como Miami e Nova Iorque, por via aérea com visto de turista, que lhes concede o direito de permanecer por até três meses e em alguns raros casos, quem comprova poder permanecer com dinheiro e dignidade, estes vistos podem ser renovados por mais três meses.

Outros forjam cursos e feiras internacionais para entrarem como profissionais ou estudantes. Esta prática é mais difícil pois os mesmos pretendentes devem também provar mais recursos durante a permanência e o sonho do visto pode acabar com um carimbo de “negado” na página do passaporte.

Há aqueles também que passam na marra pela fronteira com o México. Os Estados Unidos da América possui cerca de 5 mil quilômetros de fronteira seca com o vizinho México e como há muita vulnerabilidade na entrada e permanência no país de Zapata, nossos ingênuos e ridículos irmãos brasileiros pensam que podem atravessar o Rio Grande, normalmente em Chihuhahua (Ciudad Juarez), fronteira com a texana El Paso ou no Leste por Tijuana.

A aventura mortífera de atravessar a fronteira com o México exige muita habilidade dos brasileiros e coragem. De dia há um calor insuportável que facilmente chega aos 44 graus e a noite a região desértica atinge facilmente menos 5 graus. Não bastasse a oscilação climática brusca, uma infinidade de serpentes da espécie Cascavel e escorpiões rondam entre os arbustos, espreitando uma vítima que chegue perto deles.

Além disso, o México possui um tratado com os Estados Unidos que permite a deportação imediata nos casos de flagrante de ilegais, mas outros países como o Brasil não possuem tratados de igual natureza. Se forem flagrados com documentos brasileiros os ilegais são identificados, triados e presos até que sejam julgados pela lei de imigração e deportados, podendo ficar presos por até cinco anos sem comunicação externa.

A questão de entrada legal nos Estados Unidos está ligada diretamente a três fatores, que são eles:

  1. a) Condição real de provar que há dinheiro suficiente para se manterem pelo período declarado. Quando citamos o fator “condição financeira” o consulado diz não ter uma tabela que indique parâmetros de medição, mas o que eu já ouvi inclusive de funcionários do próprio consulado é que eles avaliam uma média de gasto da ordem de U$ 500,00/dia. Se o candidato a visto informar que passará o mínimo de oito dias ele deverá ter na sua conta corrente um saldo de no mínimo R$ 9.200,00. Este valor em tese serviria para pagar um hotel razoável e comer em restaurantes também razoáveis, além de é claro, terem as passagens de ida e volta já pagas ou com saldo suficiente para poder pagá-las.

Existe também outros fatores ligados a “condição financeira” como cartões de crédito internacional com data de aquisição com mais de 3 anos e com bandeiras relevantes como American Express, Diners Club Internacional e Visa e Mastercard que contenham o hipocorístico de Platinum, Gold ou Infinit. Cartões comuns e fáceis de adquirir como os de afinidade de supermercados e lojas ancoras, muito comuns entre os menos abastados, mesmo quando forem internacionais, não são considerados como suficientes pois normalmente possuem limites baixos.

Travels cheques também podem provar que o candidato não se privará de nada quando estiverem nos Estados Unidos e podem também deixa a economia das cidades muito felizes. Estes cheques com cara de dinheiro que podem ser trocados facilmente em cidades turísticas e civilizadas em tese provam que quem os possui é de fato um turista, e um turista razoavelmente civilizado e capaz de gastar. Conta muito ter estes cheques na hora de pedir um visto.

Por ultimo, ligado a “condição financeira”, não adianta ter tudo isso que já foi citado se a sua declaração de renda for ISENTA. Jamais apresente também uma declaração falsa pois eles, os cônsules analisadores, se notarem que há falsificação de documento, você poderá jamais solicitar outra vez o visto.

Resumindo o item, se você tiver como provar que possui grana, muita grana, com certeza você entrará facilmente nos Estados Unidos!

  1. b) Se você quer fazer um curso de línguas ou qualquer outro nos Estados Unidos prepare-se para fazer uma Via Crucis até provar que ele é real e respeitado lá e prepare-se para provar muitas outras coisas, entre elas a real condição de manter-se com todos os critérios do item “a” acrescido de mais muitos dólares. O estudante que quer entrar com visto de “estudante” precisa provar melhor condição pois os cursos duram mais tempo do que um pacote turístico comum e alem de dormir e comer o estudante precisa pagar o curso que normalmente é caro.

Profissionais liberais e empresários também podem requisitar vistos especiais para nos casos como feiras e apresentações tecnológicas, mas para estes casos a regra não foge muito às aplicadas com os estudantes.

  1. c) Existem vistos e vistos e se você possuir (verídico) cerca de U$ 5 milhões e provar que tal valor é de origem lícita e que será investido nos Estados Unidos o consulado pode lhe conceder de imediato o famoso Green Card. Você se torna um residente permanente sem nenhum problema.

É fato também que existem os vistos falsos, passaportes falsos e quem sabe, até green card falso, mas não é lenda mesmo que eles tratam estas questões como tratam suas próprias vidas e se estes criminosos forem apanhados em solo estadunidense, com certeza apodrecerão numa cela até sumirem. A tecnologia aplicada para a detecção destes artefatos falsos é tão cara e precisa que mais parecem obras da ficção cinematográfica.

O sonho de todo latino sem qualificação escolar de excelência ou profissionalizante invejável é mesmo o de morar nos Estados Unidos, Canadá, Japão ou Austrália, países que conseguem oferecer melhores salários para trabalhadores comuns (em comparação ao salário brasileiro), mas o que a maioria não sabe é que morar nestes países pode ceifar boa parte das suas vidas; as pessoas que abdicam da residência brasileira, por mais medíocre que possa parecer, desconhecem a real condição de morar fora daqui na forma ilegal. Homens e mulheres são humilhados e mal pagos e obrigados a executarem serviços escravos em nome do sigilo de suas condições. Não há muita escolha pois se forem entregues a policia, serão presos e viverão meses, anos até serem deportados.

Quem mora ilegal em países ricos dorme mal e pouco, come mal e pouco, adoecem e não podem utilizar os serviços públicos essenciais, não têm acesso à justiça, escola e vivem se escondendo. Não podem abrir conta corrente e normalmente guardam dinheiro em casa ficando vulneráveis a ação de ladrões. Suas únicas chances de carinho em terras estranhas são os nossos poucos consulados, que na verdade não podem lhes pagar um prato de comida, oferecer-lhes emprego ou pagar uma passagem de volta para o Brasil.

Está pensando fazer algo ilegal para alcançar o seu sonho americano? Pense duas vezes, pois o barato sai muito caro!

Comments

Leave a comment